sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

RESENHA | A SORTE DO AGORA


Sinopse: Bartholomew Neil passou todos os seus quase 40 anos morando com a mãe. Depois que ela fica doente e morre, ele não faz ideia de como viver sozinho. Wendy, sua conselheira de luto, diz que Bartholomew precisa abandonar o ninho e fazer amigos. Mas como um homem que ficou a vida toda ao lado da mãe pode aprender a voar sozinho? Bartholomew então descobre uma carta de Richard Gere na gaveta de calcinhas da mãe e acredita ter encontrado uma pista de por quê, afinal, em seus últimos dias a mãe o chamava de Richard… Só pode haver alguma conexão cósmica! Convencido de que Richard Gere vai ajudá-lo, Bartholomew começa essa nova vida sozinho escrevendo uma série de cartas altamente íntimas para o ator. De Jung a Dalai Lama, de filosofia a fé, de abdução alienígena a telepatia com gatos, tudo é explorado nessas cartas que não só expõem a alma de Bartholomew, como, acima de tudo, revelam sua tentativa dolorosamente sincera de se integrar à sociedade.
Autor: Matthew Quick                     Edição: 2015 
Editora: Intrínseca                          Páginas: 224
Gênero: Ficção                               Nota: 5/5 
Estava eu passeando com o moço no nosso aniversário de casamento quando resolvi dar uma passadinha pela Saraiva (quem vê pensa que era sem interesse) quando comecei a vasculhar algum livro legal, na verdade estava a procura do Sonhos Partidos (já falei dele nesse post), mas estava demorando muito para o vendedor achar, e na espera rolou que encontrei esse livro meio que por sorte (usando a teoria). Apesar de ter achado a capa linda não tinha muitas esperanças que fosse gostar da história, mas ao ler sinopse fiquei curiosa.
A Sorte do Agora apresenta a linda e intrigante história de Bartholomew Neil, um homem por volta dos 40 anos que se encontra perdido após a morte de sua mãe que acabara de falecer por causa de um câncer no cérebro o que a deixou com uma ligeira confusão, ela era apaixonada pelo autor Richard Gere e fez questão de passar essa paixão ao seu filho, no final do estágio da doença a mãe de Bartholomew começou a chama-lo de Richard o que deixou ele um tanto triste e confuso, mas como percebeu que isso fazia bem a sua mãe acabou incorporando o personagem, até mesmo pediu aos médicos e enfermeiros que na presença dela chamassem ele apenas de Richard. Mas então ela faleceu e já não havia mais motivos para ele ser chamado assim, contudo, a história se desenvolve quando ele encontra uma carta com o endereço do Richard Gere.
Logo nas primeiras páginas o autor lança no ar que Bartholomew tem algum problema em se socializar, mas não deixa claro se realmente possui algum distúrbio psicológico. No começo esse fato me incomodou um pouco, porque não sabia como classificar um homem de quase 40 anos que nunca trabalhou, nem teve amigos exceto sua mãe, e que parecia ser ingenuo em excesso, mas a cada página Barthomew me envolvia em sua história e simplesmente o aceitei como ele era.
O livro todo é contado por cartas que Barthomew envia ao autor Richard Gere de quem se considera amigo já que em sua cabeça os dois compartilharam muitos momentos quando sua mãe esteve doente. E as cartas são de uma inocência tão linda, nelas ele conta de que a meta de sua vida é sair para tomar uma cerveja com a meninatecária que ele observa quase todos os dias quando vai a biblioteca. Apesar dele ser um homem reservado e sem nenhum amigo ele tem o padre Mcnamee que sempre o ajudou enquanto sua mãe estava viva, e agora mesmo com sua morte continuava a fazer.


Um dia o padre quebra seus votos e decide morar com Barthomew que não entende nada, mas acaba aceitando. O padre diz que Deus não quer mais falar com ele, por isso espera que Deus fale com Barthomew. Também tem Wendy que estuda psicologia e acaba querendo ajudar ele passar pela experiencia do luto, mas lá pra frente as coisas meio que ficam confusas e os papeis se invetem. Em uma das sessões de terapia ele conhece Max um cara com a mesma idade que ele baixinho e que fala palavrão a cada dois segundos, e acredita seriamente em alienígenas
A cada novo capítulo uma nova carta é escrita para relatar como as coisas andam, e a vida dele esta cada vez mais agitada e bagunçada e se nada disso fosse o bastante Barthomew ainda tem que lutar com o "homenzinho furioso" que vive dentro de sua barriga que vive gritando que ele é idiota, retardo e coisas do tipo. Nessas horas minha vontade era de poder entrar no livro e salva-lo desse homenzinho.

O nome do livro faz menção a teoria da mãe de Barthomew que insistia em dizer que Sempre que algo de ruim acontece com a gente, uma coisa boa acontece. Normalmente com outra pessoa. Essa é A Sorte do Agora. Precisamos acreditar.
Terminei o livro com um sorriso de esperança nos lábios, porque a história me fez perceber que mesmo em tempos difíceis coisas boas podem acontecer, até mesmo para aqueles que foram esquecidos, no fim das contas a teoria fez sentindo.

Quem já leu o que achou? Me conta.

24 comentários :

  1. ah achei bem interessante, nunca vi ou li u livro nesse estilo
    www.byanak.com.br

    ResponderExcluir
  2. Pooxa Camila, que resenha perfeita, quem dera se a resenha de todos os blogs fossem assim, com escrita clara, envolvente fotos boa e criativas. Apaixonei. Eu não conhecia esse livro e depois da sua resenha fiquei com muita vontade de ler. A capa é perfeitaaaa, estou numa vibe de capas pretas *---* Amei, bjaaao flor <3

    - Ewilyn

    www.brblackdiamond.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Morrendo aqui com seu comentário, obrigada. ♥
      Espera que consiga ler, depois me conta o que achou.
      Beijo

      Excluir
  3. Confesso que fiquei com um pézinho atrás depois de ler O Lado Bom da Vida e não conseguir nem chegar na metade, mas tua resenha me deixou curiosa quanto a história, quem sabe dessa vez flui, né? ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nunca li acredita Kelly? Tenho dificuldade de ler o livro depois que já assisti o filme e foi o que aconteceu.
      Espero que esse livro te conquiste assim como me conquistou.
      Um beijo

      Excluir
  4. Olha, a história parece ser bem diferente. Fiquei curiosa pra ler. E esse negresco com café abriu o meu apetite! hahaha Amei a resenha, muito bem feita! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim a história foge do que estamos acostumados. Eita partiu comer hahaha.
      Beijão ♥

      Excluir
  5. Gostei bastante da resenha <3 Parabéns você escreve muito bem :3 Incrita, viu! :3

    docealgodao2015.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Cami, arrasou na resenha!
    Depois desse post maravilhoso fiquei interessada em ler o livro, foi pra minha listinha *u* beijos e até, saudade de você viu? rum... ♥♥♥♥♥
    Radioativa | Geovana Silva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há sua linda que bom que gostou.
      E vem cá para eu te dar um abraço. ♥
      Beijo

      Excluir
  7. Nossa, logo que comecei a ler o texto, já achei o conteúdo do livro muito interessante. Não cheguei a lê-lo, mas ele fala sobre uma pessoa que já tem uma certa idade e que continua inocente e prestativa... Isso é tão raro! Fiquei realmente com muita vontade de ler esse livro e provavelmente irei ler.

    Não sei se você já leu o livro "Sidarta", romance escrito por Hermann Hesse, mas já que gostou desse, acredito que iria gostar muito dele, também. "Sidarta" é um livro muito profundo e nos faz repensar a nossa própria forma de ser. Senti como se eu tivesse renascido, ao terminar de ler o livro.

    Ah, também tenho um blog: http://www.khromassomos.blogspot.com/, caso queira dar uma olhada. Comecei a escrever nele faz bem pouco tempo, mas postarei sempre às quintas-feiras. Caso dê uma olhada, espero que goste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca ouvi falar, mas já me interessei e vou procurar rs.
      Que bom que gostou da resenha, se ler me conta o que achou.
      Um beijo

      Excluir
  8. Menina, eu tô com uma vontade absurda de comer Oreo e você me faz fotos assim? Socorro hahaha
    Amei a premissa desse livro, parece ser bem daquele estilo engraçado mas que sempre faz com que fechemos o livro com um sentimento bom no coração, né? Espero que sim! <3

    Abraço e boas férias,
    literarizei.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso Milena. O livro parece aqueles bem bobinhos, mas te conquista de uma maneira absurda.
      Beijos

      Excluir
  9. Olá, tudo bem?
    Estou com uma vontade de ler esse livro, já tive uma experiência maravilhosa com o Matthew Quick com "Perdão, Leonard Peacock" é um livro que eu amei, entrou para os melhores do ano de 2014, certeza que vou ler essa, sua resenha ficou incrível, parabéns!
    Estou seguindo e adorando o blog <3
    Beijos.
    Tenho um blog no qual falo sobre filmes, series e cultura no geral. Se puder dar uma conferida ficarei muito grata: http://cineleva.blogspot.com.br/ :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há Willma fico muito feliz que tenha gostado. E quando ler me conta o que achou.
      Um beijão

      Excluir
  10. Tô louca por esse livro, ainda mais depois da sua resenha! E as suas fotos então, cada dia melhores! <3

    Tô sumidinha por conta de umas coisas pessoais que me deixaram triste, por isso fiquei vários dias sem comentar. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ha ele é maravilhoso Amanda e me surpreendeu muito.
      Espero que as coisas tenham melhorado moça.
      Beijo♥

      Excluir
  11. Ai fiquei curiosas, vou querer ler em 2016. hehe bju

    http://mikaellymenezes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que leia, depois me conte o que achou.
      Beijo

      Excluir
  12. Camila, vim lá do Vai um Café? :)
    Adorei a resenha. De início não achei que fosse um livro que eu iria curtir, mas terminei o post bem curiosa - e com vontade de tomar esse café com bolacha. xP Lindas fotos!
    bjs e já vou seguir você no bloglovin. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há se ler me conta.
      Que bom que gostou das fotos.
      Obrigada

      Excluir

Germine aqui um pouco de amor. ♥