23 setembro 2015

TE RECOLHO EM TODA SÃO PAULO


Eu juntei tanta coisa nessa minha pouca vida, mas a pior sem dúvidas foi o resto do nosso amor que ficou jogado em vários lugares de São Paulo. Te catei e guardei aqui dentro do peito, bem escondidinho de todos, te escondi naquela parte que quase nunca mexo, naquela que pouca gente já entrou, até porque tem tanto de você aqui que tive que tirar algumas coisas só pra te caber mais, só pra te caber por inteiro, só pra confirmar que você ocupa os espaços da minha vida mesmo quando já se ausentou dela.

Esses dias estava passeando pela Pinacoteca e assim do nado no meio do corredor dos fundos achei um pedaço seu, bem entre a janela e o velho extintor de incêndio, pensei em passar olhando para o outro lado e fingir que nunca te vi ali, depois pensei em te pegar de susto e te jogar da janela central, mas aí então fiz o que tenho feito sempre corri e te coloquei aqui dentro, e soquei até você ficar quietinho, sei que não sabe, mas toda vez que te acho solto por aí da um certo trabalho te colocar pra dentro de novo. O segurança notou a movimentação e veio ao meu encontro, perguntou se estava tudo bem, rezei em pensamento pra você não falar nada, não queria que ele percebesse que estava te escondendo. Sei que pra ele seria apenas mais um caso de pessoas que esquecem coisas em lugares públicos, mas ninguém precisava saber que você tinha ficado ali desde março.

Outro dia foi na cafeteria, na verdade lá é o lugar em que mais te recolho, é como se o lugar todo fosse você em sua mais brilhante essência, e não falo de apenas uma cafeteria como sendo sua, qualquer lugar que exale cheiro de café extra forte tem você, mesmo que seus pés nunca tenham pisado em algumas delas. Tenho tanto de você que até te levo pra novos lugares, e deixo eles serem mais seus do que meus. Nesse dia que fui a cafeteria da Augusta com alguns amigos, resolvi fazer tudo diferente, mudei a bebida, até o meu lugar preferido da janela deixei de lado, tudo pra vê se você não aparecia e me surpreendia. E estava dando certo até que uma amiga me pediu pra acompanha-la ao banheiro (mulheres tem dessas coisas) durante o caminho passamos por entre as velhas mesinhas de madeira, permaneci com os olhos fixos em linha reta, nada de olhar para os lados e achar algo que não gostaria de esconder. Quando chegamos na entrada dos banheiros vi aquele banquinho e lá estava você, com olhar impaciente de quem não aguenta mais me esperar verificar pela quinta vez se o coque está no lugar, respirei fundo, sentei e enquanto minha amiga estava distraída te joguei dentro da bolsa, enquanto fingia verificar a maquiagem.

Não está sendo uma tarefa fácil continuar vivendo como se não estivesse cheio aqui dentro. Ficar te recolhendo em cada esquina, travessa, avenida tem causado um grande engarrafamento, e talvez uma hora as coisas parem de funcionar e eu solte de vez a mão do volante e admito que perdi o controle algumas curvas atrás. O problema é que cê me conhece moreno, sabe que odeio perdas, ainda mais quando são as minhas, detesto ficar te recolhendo pelos caminhos da vida, mas se te deixo sinto que vou sumindo também. É como se minha vida estivesse interligada a sua. Queria saber em qual clínica clandestina você nos desfez, porque somente essas não autorizadas para desfazerem algo tão bonito, tão puro, tão sincero que agora é apenas restos, cacos, estilhaços que soco coração há dentro e que rasga a carne, sangrando ferida que só sabe jorrar.

Talvez amanhã, ou depois, quem sabe semana que vem, ou no mês seguinte eu abra mão de ficar te guardando aqui dentro, até porque não tem mais o que pôr pra fora pra te fazer ficar. Triste é saber que mesmo que eu ocupe todos os espaços do meu corpo, mesmo que ele acabe virando 70% você, porque quem precisa de água? Mesmo assim, no final do dia não é você que estará aqui no sofá da sala moreno, e infelizmente lembranças apesar de apertarem ainda não abraçam, infelizmente moreno.

27 comentários:

  1. Eu pensei em comentar de diversas formas aqui, mas achei melhor só dizer que ficou um texto maravilhoso. Felizmente você me fez pensar em algumas coisas que ouvi recentemente, e lhe digo um obrigada por tirar um peso das minhas costas e me dar a certeza de que não estou errada quando digo que deixei de guardar comigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há que bom que de alguma forma meu texto confirmou algo pra você Kelly. ♥

      Excluir
  2. Começar o dia com um texto seu é sempre bom, mesmo que não seja algo que eu não esteja passando. Parabéns, Camila, você escreve muito bem!
    Estou criando coragem para começar a postar meus textos :x beijo!

    choveamoraqui.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há Amanda muito obrigada moça.
      Torcendo pra você criar coragem. ♥
      Beijos

      Excluir
  3. Você se supera. Eu amei. Me deliciei em cada palavra. E pude até ver as cenas e vive-las junto. Te amo. Beijo

    ResponderExcluir
  4. A-D-O-R-E-I cada palavra,o pior é que é bem assim mesmo,ir guardando,não por temer esquecer,mas por temer ser menos quem somos sem aquela tal pessoa.Mas a verdade é que quando seguimos em frente,inevitavelmente algo ou alguém fica para trás,faz parte.
    Texto incrível Cami :D
    Beijos ^.^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que você super entendeu o que a moça do texto estava dizendo, o medo dela não era o esquecimento, e sim a o medo do nada que sua vida seria sem ele.
      Beijos Jenny. ♥

      Excluir
  5. Camila Carvalho, que texto, hein? - sim, precisei falar seu nome e sobrenome para dar maior ênfase e clímax para a minha frase.
    Cara, eu reli cada parágrafo umas duas vezes, sim, porque sua intensidade me fez querer captar cada pedaço que talvez eu tivesse perdido da primeira vez. Que metáfora bonita. Você sabe, eu sou a louca das metáforas kk. Recolher... Esconder os pedaços...
    Embora isso seja tão destrutivo, em algum momento vai haver mais dele nela do que ela mesma, e quem sabe, quando ela perceber que deve deixá-lo ir, então não restará mais nada. É uma coisa complicada essa do deixar ir embora. Penso que se você não luta mais por tal amor, não deve guardá-lo em potinhos para deixar por toda casa - ou toda a cidade. Te lembrando a todo momento do que poderia ter sido e não foi. É preciso se libertar. Sempre.
    Lindo texto, de verdade!!
    Um beijo, moça.

    Com carinho, Beca; Café de Beira de Estrada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rebeca Maynart, o que faço com você? Posso te guardar só pra mim? rs.
      Gente toda vez que você comenta aqui, meu coração se estufa tanto que quase se sente maior que eu mesma.
      Muito obrigada por encher minha noite com tanta palavra linda.
      Beijos ♥

      Excluir
    2. Muito obrigada você, por encher essa blogsfera de amor *-* ♥

      Excluir
  6. Sempre acho impressionante os seus textos. Eles fluem de um jeito tão natural, sabe? <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há muito obrigada Tati, e fico feliz que goste.

      Excluir
  7. :O Que lindo, que lindo, que lindo. Apaixonada por esse belo texto, amei, vou voltar a visitar o blog que por sinal é muito bonito.
    http://autoreseanonimos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Janine fico muito feliz em saber que gostou do texto e do blog. *-*
      Volta sim, volta sempre, ou melhor nem vai, fica. ♥
      Beijos

      Excluir
  8. E tu tem essa capacidade inacreditável de se superar a cada novo texto, eu tô aqui arrebatada com o que li, sério, não sei nem o que dizer a não ser parabéns. E não pare de escrever não, manda mais. Manda mais.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos combinar assim eu não paro de escrever e você não para de me ler certo? ♥

      Excluir
  9. Camila, como tu escreve bem, é uma delícia de ler! Cheguei a enxergar as cenas que tu descreveu. Parabéns! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí que coisa boa de se ler Jonara. ♥
      Muito obrigada sua linda.
      Beijos

      Excluir
  10. Oinnnn muito amor por esse texto. Parece que foi pra mim HAHAHAA Eu guardo tanto dentro de mim. "Não está sendo uma tarefa fácil continuar vivendo como se não estivesse cheio aqui dentro." Mas viiiiu, voce escreve com facilidade, as palavras sao leves e super encaixadas. Eh super gosto ler teus textos. Muiiiito parabens. Continua escrevendo mais =) Beijinhos ( www.verdadeescrita.com )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rebeca sua linda se não sabe como me faz bem ler um comentário, até porque fico de cara com suas palavras, com sua facilidade de arrancar o que quer de mim pobre leitora.
      Obrigada de verdade moça.
      Beijos ♥

      Excluir
  11. Cami, tô que não caibo em mim com a beleza desse texto. Profundo, bonito e de uma angústia que perpassa o entrelinhas. Recolher o outro que ficou em cada lugar, em cada lembrança... E essa ideia de recolher... Achei incrivelmente lindas, apesar de.
    Texto maravilhoso! Sem palavras.
    Parabéns mesmo!

    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico mega feliz de verdade em saber que gostou do texto. Deve se muito triste passar uma vida recolhendo o outro que nem fez questão de ficar.
      Beijos Magda ♥

      Excluir
  12. É incrível como mesmo sem saber, em cada palavra esse texto me descreveu. "Tem tanto de você aqui que tive que tirar algumas coisas só pra te caber mais...". Na verdade, sempre que venho aqui e comento é quase a mesma coisa haha. Você parece me conhecer até mais que eu mesma às vezes kkk.

    www.blogtodagarota.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há Isa sua linda.
      É sempre bom quando leio que meus textos tem um pouco de quem os lê.
      Um beijão ♥

      Excluir

Germine aqui um pouco de amor. ♥