01 setembro 2015

AINDA É NÓS


Hoje voltando do trabalho a primeira coisa que notei é que mudaram a fachada da nossa cafeteria, desculpas é que ainda não consigo separar o nós de você e eu. Nem sei se ainda continua sendo seu lugar preferido, afinal continuo a passar por aqui todos os dias de segunda a sexta-feira no horário em que costumávamos estar, talvez seja isso, talvez você tenha mudado o horário para o nosso nós não se cruzar e se arrepender de ainda preferir o mesmo café.
Meus amigos disseram pra mudar o caminho, pra conhecer sabores novos, talvez mais quentes que o teu frappuccino de caramelo, mas me acostumei a caminhar todos os dias por essa calçada que me transporta sempre para o mesmo lugar: nós dois sentados no canto esquerdo da varanda você irritada com o barulho dos carros e eu perdido entre tantas bebidas.

Posso te contar com detalhes todas as vezes que tivemos ali juntos, rindo, chorando, lendo, jogando papo fora, celebrando e brigando. Naquela varanda te vi chegar com o sorriso mais lindo do universo me contando que descobriu que era amor o que não te deixava dormir a noite e não fome, mas foi ali no nosso lugar que te vi partir com um olhar desconhecido, foi exatamente ali que você me devolveu a dor de ser só eu.
Eles trocaram as mesinhas de madeira, mudaram também as flores e as cores, mas ainda é o nosso-meu lugar favorito. Já não possui a leveza de antes, nem a lousinha escrito: “Seul l'amour peut obtenir est le bienvenu” e ainda assim continua impregnado com pedaços do que fomos um dia. Se fecho os olhos consigo respirar o teu perfume espalhado entre as gerberas e a fumaça dos carros. 

Ás vezes penso que deveria seguir o conselho dos meus amigos procurar um novo lugar pra chamar de meu, para sentar e pedir uma bebida qualquer sem tem que notar o olhar de desapontamento do atendente ao perceber que o nosso pra sempre não conseguiu chegar nem na esquina de baixo, mas é que até ele sabe que mesmo que eu mude de lugar, que eu escolha uísque ao invés de café amargo até mesmo lá eu vou conseguir um jeito de te te levar. Mesmo que eu conheça e desfrute de outras bocas nenhuma delas conseguirá me tonar casa. Você era meu teto e mesmo que tenha me sobrado o chão ele não protege do frio de que é se estar só comigo.

Quando fui entrar na cafeteria tropecei em um degrau que não existia antes, bati com força o dedinho do pé, senti uma vontade enorme de gritar e falar todos os palavrões que meu fraco vocabulário conhecia, mas naquele momento me dei conta que o nosso nós era exatamente o degrau que me fazia tropeçar, embora nos conheça bem já não estamos no mesmo lugar e sempre que eu tento te trazer de volta acabo tropeçando e sentindo uma vontade gigantesca de te expulsar, talvez uma hora doa lá no fundo, naquele pedaço que tua indiferença não alcançou e eu finalmente crie coragem de xingar o nosso nós pra bem longe de mim.

22 comentários:

  1. TAQUEPARIU MANO! Q Q É ISSO? ASSIM DE MADRUGADA? ESTRAÇALHANDO ESSE MEU CORAÇÃOZINHO BOBOCA? <3 Pq às vezes é bom reviver o nós, mesmo que seja sozinho. E mais bonito ainda é quando a gente empurra batente com tudo de vez pra longe. Depois da delícia que foi reviver a saudade. êta textinho sacanaaaaaa :~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como lidar com um comentário que pega a gente de jeito??
      Realmente ás vezes o melhor é jogar pra longe e só viver com a lembrança daquilo que um dia foi bom.♥

      Excluir
  2. Texto maravilhoso!! Alguns "Nós" não saem da nossa cabeça nunca, e resta conviver com eles escondidinhos lá no fundo.

    Beijos!
    http://postandotrechos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade tem coisas que sempre vão estar ali, assim como o dedinho do pé sempre vai bater em alguma quina, mesmo sabendo que ela esta, ás vezes esquecemos e a dor se alastra.
      Bjos

      Excluir
  3. O legal seria tropeçar e xingar tantos outros degraus que incomodam: o da cafeteria, o do cinema, da praça, do shopping e até aquele da entrada de casa. São tantas coisas que nos fazem lembrar de um "nós" que já deixou de existir... :(
    Texto incrível Cami ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom seria se fosse assim né Gabi.
      O problema é esse, são muitas coisas que nos fazem ficar revivendo algo que já deixou de existir.
      Obrigada ♥

      Excluir
  4. Outro texto que eu vou mandar pra minha amiga! Haha
    Texto lindo, Camila!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa tua amiga estaria perdida se não fosse você em Amanda rs.
      Brincadeiras a parte, espero que ela fique bem.
      Bjos linda

      Excluir
  5. Que texto viu? ♥ É bom poder pensar e repensar e reviver certos momentos, seja de um "nós" que já foi embora ou até mesmo de um "nós" que ainda existe. Mas empurrar para longe é a melhor das opções, e a sensação de liberdade é melhor ainda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Kelly, ás vezes o lembrar é tudo o que resta.
      Mas sou daquelas que pensa se foi tão bom não deveria ter lembranças sem presente, se é que me entende.
      Bjos moça. ♥

      Excluir
  6. Muito bom seu texto :) e vivendo e aprendendo e com certeza convivendo com as lembranças!
    Beijokas da Camila e Carol

    Vamos Papear 

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado do texto.
      Bjos meninas

      Excluir
  7. Eu poderia comentar qualquer outra coisa, mas resolvi só apertar o 'ctrl + v'
    "Você era meu teto e mesmo que tenha me sobrado o chão ele não protege do frio de que é se estar só comigo."
    Tenho mania de pegar frases dos seus textos que mais se parecem comigo ou relacionado a mim. Não sei porquê kk.

    www.blogtodagarota.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua linda, pode pegar sempre. Fico feliz em saber que de alguma forma meus textos falam com você.
      Beijos Isa

      Excluir
  8. Amo histórias de amor ou (tentativas) de desamor em cafeterias. Por que as benditas são tão românticas? Outra questão, onde você aprendeu a escrever bem assim, moça? Me fala logo o nome para que eu fuja para lá! rsrs
    O texto está maravilhoso Camila, de verdade.
    Beijos,

    www.princesasadoradoras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Thaís eu também gostaria muito saber porque cafeterias são tão amores. E não sei te dizer, pra ser sincera preciso melhorar muito minha escrita, mas fico feliz que tenha gostado.
      Obrigada.
      Beijos ♥

      Excluir
  9. É assim mesmo. Sempre tem alguém que custa ser mandado para longe, que o perfume ainda anda impregnado em cada esquina ou roupa nossa, ninguém parece ter o mesmo abraço e os lugares antes "nosso" passa a ser só "meu". Mas eu também sempre preferi acreditar que essas coisas vem e vão. A gente pode viver no passado, naquela frase tatuada no coração "a gente podia ter sido isso... aquilo... tantas coisas...", ou a gente pode tatuar um recomeço, não importa quantas vezes sejam necessárias. Não sei, acho que aprendi a lidar com o passado kkk (Na teoria, pelo menos.)
    Belo texto, Cami, beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Rebeca, ás vezes grudamos no passado igual aquele chiclete que pisamos sem querer no meio da rua, e da um trabalhão tirar ele do sapato, aí chega uma hora que simplesmente desistimos e preferimos deixar alguns fragmentos dele, mas a cada passo que damos sentimos aquela certa dificuldade em andar.
      Viver de novo, recomeçar é sempre difícil.
      Beijos

      Excluir
  10. Que texto lindo, leve e cheio de sentimentos. Nem tenho mais o que dizer, adorei a sua escrita.

    Beijos, Gabi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz que tenha gostado Gabi.
      Obrigada e volte sempre. ♥

      Excluir
  11. Haha você é demais. Amei o texto. Sou totalmente assim. Mas vc sabe disso.rs bju

    ResponderExcluir

Germine aqui um pouco de amor. ♥