09 agosto 2015

HOJE NÃO TEM FILME, SÓ SAUDADE.


Hoje é dia de filme aqui no blog, e seria esperado que a indicação fosse algum filme relacionado ao dia dos pais, mas não vai dar, sinto muito. Não vai dar porque quando indico um filme é porque ele de alguma forma mexeu comigo, e claro que deve existir algum filme que mexeria comigo lá no fundo, e o problema é exatamente esse, ainda que me abalasse superficialmente já causaria um estrago sem fim nessa estrutura que venho reconstruindo ao longo desses anos.

Juro que tento gostar desse dia, ou melhor dessa data, mas não da, não consigo, desculpas. Esse ano até montei uma peça com as crianças da igreja para homenagear os primeiros heróis deles, até porque meus filhos tem um pai incrível, presente de Deus para eles e para mim, mas a sensação de buraco dentro do peito é inevitável, é um sufocamento silencioso que quando percebo me devolve para aquele dia de desespero e confusão onde saí descalça e descabelada pela rua gritando por ajuda. 

Enquanto escrevo esse texto minha garganta se contrai, o ar entra meio sem controle dentro dos pulmões, ás lágrimas rolam porque ainda não sei me expressar de outra forma, mesmo escrevendo elas conseguem ser melhores do que qualquer palavra que estará aqui.
Como a gente faz para superar o insuperável? Não faz, se existe uma formula alguém me conta o segredo porque aqui ainda dói e dói muito. Sempre achei que aquela briga que tivemos por algum motivo bobo e que fez a gente parar de se falar tinha sido a pior coisa que tinha nos acontecido, mas aí então em outubro veio aquele silêncio que pedido de desculpas nenhum fará se quebrar.

Ainda sonho com você, ás vezes é bom, ainda sou criança e corro pelo quintal repleto de margaridas e faço o possível e o impossível para ficar mais tempo ao seu lado, para deitar no seu colo e te escutar falar que sempre serei sua margaridinha. Algumas vezes os sonhos não são bons assim, em alguns eu sou exatamente aquela mimada que brigava contigo por tudo, que achava careta ter um pai que se importava, aquela que virava o nariz e gritava que não era mais criança, aí de repente no meio do "sonho" eu te perco de novo e revivo o pior dia da minha vida.

Hoje é um dia difícil para mim, o que é alegria para muitos para mim é só saudade, e não é que as outras pessoas sejam ruins, mas ninguém gosta de ficar triste nesse dia, por isso me seguro, aperto a dor dentro do peito, faço de tudo para ela não saltar das palavras, muito menos dos olhos. Tento mostrar que está tudo bem, que é possível superar a perda de alguém tão importante, mas é que quando fico quietinha, sozinha, aí eu volto ser aquela menininha assustada e com medo do escuro.

Queria poder te abraçar hoje, queria não ter tido medo de apresentar meu moço para ti, assim você poderia saber que fiz a escolha certa e que aquele rapaz que não gostava realmente não era pra mim, queria que tivesse tido mais anos por aqui para conhecer os reizinhos, aliás depois da Giovanna e Yasmin o senhor ganhou mais quatro netos e tenho certeza que todos eles adorariam conhecer o vovô mais sério e ao mesmo tempo mais criança que já existiu, eles amariam ver suas sobrancelhas se erguendo por cima do jornal. 

Talvez o que me doa mais seja o fato de não ter conseguido dizer adeus, não poder te abraçar pela última vez, não dizer que te amava demais, mesmo quando dizia o contrário, sempre te amei. E nunca nem mesmo na hora da raiva imaginei outro pai em seu lugar. 
E apesar dessa dor inexplicável aprendi que não devo esconder ou reprimir sentimentos, aprendi que as pessoas são feitas de momentos e que amanhã posso perde-las assim como te perdi, por isso digo eu te amo quando sinto vontade, abraço quando o coração pede, choro quando me machuca, não quero perder mais ninguém e ficar com o sentimento de que não falei e não fiz tudo que queria/deveria.

Desculpas. Mas hoje não vai ter filme, só saudade.



8 comentários:

  1. Oi Camila,
    Que texto mais lindo, escrito com alma e coração. Sinta-se abraçada nesse dia e em todos os outros!
    Eu gostaria de agradecer o carinho do seu recadinho lá no meu cantinho, então vim visitar o seu cantinho e achei encantador.
    Vou voltar com calma e ler os posts antigos também :)
    Bjs em vc e nos seus meninos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Elza, fiquei tão feliz que você veio conhecer meu cantinho e ainda mais que gostou do meu cantinho.
      Volte sim beijos. ♥

      Excluir
  2. Que lindo texto Camila! Encontrei seu blog por acaso e fiquei emocionada com sua reflexão. Que Deus seja seu conforto nesse dias de saudade. Abraços,
    http://dibobis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Carol, e realmente só nele podemos ter esses "buracos" preenchidos.
      Fico feliz que tenha gostado do emu cantinho.
      Beijos

      Excluir
  3. Não sei o que é perder um pai ou uma mãe, mas sei o que é perder uma avó. E, no fundo, até vai dar ao mesmo, porque ela era o mundo para mim. Também não me consegui despedir dela e dizer-lhe tudo o que gostaria de dizer. Talvez nem tivesse tido tempo para lhe dizer tudo mesmo, porque o que eu mais queria era tê-la perto, para sempre.
    Espero que tudo fique melhor!
    Um beijinho,

    Patrice

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que qualquer tipo de perda nos fere e deixam marcas né?!
      Mas a vida passa e vamos aprendendo a sobreviver.
      Beijos

      Excluir
  4. Amei seu texto! Ele me fez refletir o quanto temos que valorizar pequenos gestos e grandes pessoas, principalmente os nossos pais. Me fez relembrar algumas percas eternas da minha vida também.
    Espero que um dia essa saudade amenize e que sempre que você lembrar dele venha um sorriso ao invés de lágrimas, posso ter certeza que ele está orgulhoso de ti!!
    Parabéns por expressar seus sentimentos em palavras, é realmente muito difícil!

    Um beijo! Fique bem <3

    Quinze Fases

    ResponderExcluir
  5. Obrigada Tais, que bom que não são todos os dias que me sinto assim. Beijos

    ResponderExcluir

Germine aqui um pouco de amor. ♥