terça-feira, 25 de agosto de 2015

A RELATIVIDADE DE UMA SAUDADE


São exatamente 9 h 43 mim da noite e sei isso porque a cada dois segundos olho o relógio como se em uma piscada minha os ponteiros tivesse rodado umas cinco vezes. Mas para meu tédio ele continua rodando a sua maneira, lento para mim e rápido demais para o casalzinho da rua que deve estar dando o seu décimo tchau seguidos de beijos calorosos. O tempo é relativo e essa relatividade toda ás vezes me cansa.

Esses dias tomando café com uma amiga, após olhar minunciosamente um dos meus textos ela disse: “Seus textos mudaram, não vejo mais aquela leveza de antes”, dei uma risadinha e conversamos sobre outras coisas, de fato eles mudaram deixaram de ser poesias onde as flores rimam com as dores e viraram prosa assumidamente escancaradas.
É que na vida real o amor não é um sentimento tão florido e a solidão também não é o fundo de um copo onde você bebe até se esquecer de que está só, e a saudade é só saudade.

Nos textos que escrevo ainda que os desencontros existam o tempo faz tudo virar uma grande roda gigante onde tudo sempre gira e volta, na vida real não. O adeus é sempre adeus, ainda que embarquemos nas mesmas pessoas novamente acreditando continuar a história, tudo muda. A gente muda, o outro muda, o enredo muda, o tempo muda.
Olhando sem nem precisar ser minuciosa percebo claramente a mudança dos meus textos, a verdade é que cada linha que escrevo uma mudança acontece, isso não necessariamente significa evolução, ás vezes podemos regredir mesmo caminhando para frente, ou estarmos andando para trás e ainda assim crescermos. Na vida real as coisas nem sempre são exatas e os vilões nunca são vilões sozinhos.

9 h 50 min e como um pensamento leva ao outro acabei chegando em você, ainda na conversa com essa amiga ela comentou algo do tipo: “acho que seus textos mudaram depois dele”, entendi que ela não disse o seu nome por medo de me causar algum sentimento relacionado à tristeza ou saudade, e pra ser franca não senti nada além de uma vontade de rir. As pessoas assim como minha amiga tem a mera ilusão de fundir quem sou com o que escrevo. Você assim que me conheceu fazia isso lembra? Por sorte, ou melhor, por astucia percebeu que as duas coisas são bem distintas. De todos talvez você seja o que mais chegou a me conhecer e entender que o que sinto por nós não é amor, é desejo sem aquele mimimi de que temos que ficar juntos.

Fiquei pensando em te ligar pra dizer que estou com saudade, e sei que você vai entender. Não é saudade das sextas-feiras à noite em que íamos para as baladas encher a cara com aqueles drinques coloridos, nem dos sábados que acordávamos depois do meio dia com ressaca e nem tão pouco dos domingos mornos assistindo séries no seu sofá. Sei que entende que a saudade que sinto não necessariamente seja de nós. É saudade de estar contigo, saudade de ser eu com um leve declínio de ser você. Mas não passa disso, não é desespero, não é amor encurralado

Já são 11 h 30 min da noite talvez eu ligue pra dizer que vou deixar a chave reserva dentro da mesma planta de sempre, ou talvez não. Talvez eu transforme esse desejo todo em mais um dos inúmeros textos que venho aglomerando na gaveta jurando que um dia faço um livro deles e dedico a todos meus desamores que nunca de fato foram amores. Ou simplesmente continue aqui olhando o casalzinho lá na rua dando o vigésimo tchau sem saber que hoje mesmo os dois já não serão os mesmo de agora.

24 comentários :

  1. Que texto lindo, Cami! (posso te chamar assim?) amo sua forma de escrever, sempre me sinto como a pessoa do texto. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Bia (posso te chamar assim? rs) e pode me chamar do jeito que quiser. E fico feliz em saber que meus textos consegue fazer isso contigo.
      Beijos

      Excluir
  2. A escrita sempre resume um pouco do que somos né? Penso que quanto mais sensações ruins, mais vamos modificando nossa forma de escrever. Não sei. Mas ficou um texto incrível, como sempre ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade acredito que em todos os meus textos, contenha alguma parcela minha, acho que só podemos falar de algo quando de alguma forma vivemos aquilo.
      Beijos ♥

      Excluir
  3. Que lindeza Mila, concordo mais que plenamente com a parte que diz "mesmo que embarcamos nas mesmas pessoas tudo muda" acho que a pior parte disso é descobrir tarde demais, e mesmo que eu acredite que todo tempo vivido é valido algumas lagrimas não precisam ser derramadas, amei o texto flor ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Lu, ás vezes se descemos o braço a torcer nos livraríamos de algumas amarras mais cedo.
      Beijos

      Excluir
  4. As vezes a saudade acaba com o nosso coraçãozinho não é? Amei o texto , você escreve tão bem , que chega deu vontade de te colocar em um pontinho <3 rsrs

    Blog Luanne Oliveira

    ResponderExcluir
  5. Oount, rs. Sou dessas que também tem vontade de guardar um monte de gente no potinho.
    Obrigada, beijos.

    ResponderExcluir
  6. Faço das tuas palavras as minhas: "a verdade é que cada linha que escrevo uma mudança acontece". Nós estamos sempre mudando, todo mundo muda. O mundo vai transformando a gente. Ah, e às vezes as pessoas pensam mesmo que as coisas sobre as quais escrevemos são necessariamente relacionadas a nós. Muitas não entendem que escrever é uma arte de, muitas vezes, se colocar na mente de outra pessoa e falar sobre uma situação como se estivesse na pele dela. Apesar disso, sempre colocamos um pouquinho de nós nas nossas escritas.
    Lindo texto, Cami. Acho que é o meu texto favorito que tu escreveu até hoje! ♥
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando escrevemos ainda que em pequenos fragmentos distribuímos um pouco de quem somos.
      E escrever é como cantar um bela música você tem que passar verdade, mas não precisa necessariamente estar vivendo aquilo.
      Fico feliz que tenha gostado tanto assim Mari.
      Beijos ♥

      Excluir
  7. Que texto mais lindo, amei! E é verdade, escrever, assim como tudo que fazemos, tem nem que seja uma mínima parcela de nós mesmos. Beijoos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Vanessa, temos que nos doar sempre.
      Beijos

      Excluir
  8. Ain, saudade virou minha melhor amiga. Moro há cinco anos longe do meu namorado, passo mais tempo com ela do que com ele, rs. Mas nem foi por isso que amei teu texto, super me identifiquei com uma eu que já não existe mais, que mudou com o passar do tempo. Obrigada por compartilhar suas palavras maravilhosas e parabéns pelo texto. Acho que é teu dom! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já tive um relacionamento assim também, e como é difícil né?! Desejo toda força para vocês e muito mais amor.
      Eu que agradeço por me ler e me fazer sentir cada dia mais prazer por aquilo que faço.
      Beijos Rhu sua linda. ♥

      Excluir
  9. "Fiquei pensando em te ligar pra dizer que estou com saudade, e sei que você vai entender."
    O que seria de nós leitores, se na nossa vida não existisse uma tal Camila que criou um tal de Te Conto Poesia que tem o poder de nos prender em cada palavra escrita?
    Bem, acho que nada kk.

    http://www.blogtodagarota.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí eu me pergunto daqui, se não tivesse vocês o que seria da Camila e do Te Conto Poesia ♥

      Excluir
  10. Que texto foi esse? Ele se encaixa tão perfeitamente em tudo. Tudo que fomos, tudo que pudemos ser e o que nunca seremos (nós todos). Confesso que me identifiquei em boa parte das suas palavras. Seja na mudança dos meus textos, que admito nunca terem sido leves, ou na saudade daquele incerto interessante. São tantos talvez, por aí. No amor, nos caminhos que seguimos. É como eu sempre digo, "cada escolha, uma renuncia". Gosto tanto dos seus textos, Cami. Um beijo!!!!!

    Com carinho, Beca; Café de Beira de Estrada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí Rebeca ás vezes acho que você é minha metade da escrita rs.
      Que bom que gostou.
      Beijos linda.

      Excluir
  11. Texto lindo Cah, ando evitando escrever quando não estou nada bem e ando evitando quando estou maravilhosamente bem. Pelo simples fato de que eu coloco demais o que sinto no que escrevo, prefiro estar num meio termo pra dosar meus sentimentos transferidos aos textos. Medo talvez, de criticas, de julgamentos ou talvez medo de não ser de fato entendido. Muitos confundem o fato de colocar sentimentos no texto com o fato de escrever sobre mim. Nem tudo é sobre mim mas tudo tem um pouco de mim se é que me entende, e isso me fez mudar minha escrita, talvez não seja uma evolução, talvez eu tenha regredido mas você esta certa...tudo muda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já passei por uma fase assim Thato não de medo, mas aquele receio de postar coisas que estava sentindo porque ao me lerem as pessoas saberiam que era sobre mim. E demorou muito tempo para eu me soltar, para ligar o botãozinho do dana-se, mas liguei rs.
      E bem é isso que você falou nem tudo é sobre mim, mas tudo tem um pouco de mim, frase perfeita.
      Beijos

      Excluir
  12. Que texto lindo Cah! Acho que a saudade é um dos sentimentos mais contraditórios, tem vezes que é boa, mas em outras é dolorida. Quanto aos sentimentos, também acabo me colocando de mais nos meus textos, mas nem sempre o que escrevo é o que eu sou. Temos a mania de tentar nos auto-enganar escrevendo e às vezes isso nos faz viver mais de uma vida. ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Resumiu o que penso Gabi. Apesar de me doar nos textos, não significa necessariamente que eles sejam meus ou sobre mim.
      E é tão poder criar aquilo que nunca chegamos de fato conhecer ou sentir.
      Beijos

      Excluir
  13. Oi camila, tudo bem contigo?
    O tempo e suas mudanças, as palavras e nossas transformações. Hoje somos aquilo que escrevemos (ou não), amanhã já não seremos (ou não, também)... No fim das contas o que de fato fica é a nossa escrita... que sim carrega (muito) um pouco de nós e do que sonhamos ou idealizamos. Vamos nos transformando e aos poucos nos descobrindo. Encontrando e desencontrando amores, nesse caminhar que é a vida!

    Grande beijo!

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida é assim mesmo vivemos em transformações.
      A cada palavra escrita algo muda em mim e dentro de mim.
      Beijos

      Excluir

Germine aqui um pouco de amor. ♥