s Te conto Poesia: AINDA ESTOU AQUI

segunda-feira, 27 de julho de 2015

AINDA ESTOU AQUI


E se eu te pedisse para passarmos só mais uma vez na rua central, aquela onde você jogou sobre mim pela primeira vez todo esse furacão que tem nos olhos segundos depois de ter derrubado minha pasta de documentos. 
Ainda lembro que me senti nocauteado quando nossas mãos por descuido se encontraram. Pude sentir sua mão quente e macia. Também consegui identificar um cheiro de chiclete de melancia que exalava de sua boca ao me pedir desculpas. 

Nos levantamos e logo você devolveu meus papeis e eu só pensava que não podia te deixar ir embora assim, precisava saber seu nome, precisava saber sobre você. Te convidei para um café e obviamente recusou, mas eu tinha urgência por isso fui insistente.

E foi ali na cafeteria central que eu deixei de ser terra firme e passei a viver dentro de você lembra?
E se te levasse para casa só mais uma vez, não como as de agora. Como a primeira vez. Meu coração batia tão forte e acelerado que mesmo com minha jaqueta de couro era possível vê-lo saltar do meu peito. Até hoje me esforço pra controlar meus batimentos quando te vejo abrir aquele sorriso de quem nasceu pra ser feliz. Foi esse sorriso que você me deu aquela noite em frente a sua porta, sorriso esse que guardei junto com o guardanapo onde você escreveu “vale: um próximo encontro”. 
Naquele momento onde não sabia o que fazer mil coisas passaram pela minha cabeça, você simplesmente sorriu e me beijou. E eu meio assustado te entreguei tudo àquilo que um dia prometi guardar dessa coisa chamado amor. Acho que nunca te disse, mas foi naquela noite que nunca mais soube o que é ter um coração.
Talvez poderíamos assistir aquele filme que assistimos no cinema e eu sempre jurei que iria comprar o dvd porque ele foi o nosso primeiro filme. Eu posso segurar suas mãos e recitar a sua frase preferida “Você ainda vai me amar manhã?”. E fecho os olhos e rezo baixinho pra você dizer que “para todo sempre baby”.
E se você me xingar até o seu ar faltar e você cair com raiva no chão da sala, e eu te abraçar e pedir mil perdões por continuar a te machucar exatamente como a primeira vez que brigamos. Lembra-se de como foi fazer as pazes?
E se me calar e deixar você falar tudo o que tem te sufocado há tempos. Você soltar cada vírgula que ficou fora do lugar, ajudaria em algo para esse ponto final mal colocado entre nós sair?
Eu só queria te lembrar das nossas primeiras sensações e do que prometemos ser um para o outro, queria dizer que para mim nada mudou nada passou. 
Eu só não posso aceitar a sua lembrança de algo bom que passou. Não quero ser sua foto amarelada daqui alguns anos quando for vasculhar suas coisas antigas e descobrir que ainda estou na sua gaveta. 
Vou estar aqui como da primeira vez esperando que seu coração também não esteja com você, rezando que ele ainda seja meu assim como o meu sempre será seu. No entanto a decisão ainda é sua. 
Um beijo com sabor de amanhã.

12 comentários:

  1. Ei Camila. Estou conhecendo seu cantinho hoje. Achei muito delicado e é visível que você tem muito carinho por ele. Parabéns. Estou seguindo. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado Paloma e realmente amo esse cantinho. É meu xodó. Bem vinda, agora esse cantinho é seu também. ♥

      Excluir
  2. Como sempre mais que belas palavras, uma verdadeira inspiração, as vezes, ou melhor, lembranças é o que nos resta no fim, belas lembranças, as ruins se vão como tempo parabéns pelo texto flor beijos.

    Floreios ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Luciana, ás vezes a lembrança é a saída mais sensata de salvar algo que um dia foi bom.
      Beijos

      Excluir
  3. Oieee
    Que lindo, adorei. É suave e intenso de se ler, você escreve muito bem. Me fez querer lembrar do que foi.
    Beijinhos Screepeer
    http://screepeer.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Adorei linda, parabéns amo ler e escreve tmb 😘😘😘

    ResponderExcluir
  5. Incrível Cami,adoro o modo como você trabalha com as palavras,os sentimentos que elas carregam e toda a suavidade que trazem para o texto.Esse é um daqueles que a gente lê com um nózinho na garganta,é bom demais :D
    Beijos ^.^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Jenny, sempre me deixa feliz com seus comentários.
      Beijos

      Excluir
  6. Sempre consigo me identificar com seus textos. Queria ter sua facilidade pra escrever. Beijo, Camila!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Tati.
      P.S; Você escreve muito bem.
      Beijos

      Excluir

Germine aqui um pouco de amor. ♥