27 novembro 2014

100 DIAS SEM ELA: 1º DIA

Acordei sentindo que a cama não estava confortável o bastante naquela noite. Durante a madrugada meu corpo sentiu falta de se atracar com o dela. Mas foi apenas isso, não teve desespero vontade de encher a cara e sair bêbado-desaforado jogando algumas verdades no interfone daquelas que eu só diria completamente alcoolizado.
Obriguei-me a ficar calado até mesmo os pensamentos. Nunca quis tanto ouvir barulhos de carros como naquela madrugada, qualquer coisa era melhor que meus pensamentos.
Lá pelas três da madrugada quando a insônia já me tinha por completo tentei puxar no fundo da memória como era a minha vida antes do furacão de olhos castanhos me invadir. Pensei como era dormir sozinho e que fui bom nisso durante 25 anos, não era pra ser tão difícil assim.
Chega. Disse a mim mesmo. Vai dormir, amanhã é um novo dia.
Pela manhã tomei um café extra forte para me manter acordado. Enquanto me arrumava percebi o vazio da gaveta ao lado. nada fora do lugar, não havia blusas, saias, sapatos e nem calcinhas penduradas no box do banheiro, nem um vestígio de que meu apartamento já havia sido dela também.
E assim passaram as horas. Trabalhei, tomei café, almocei, tomei outro café, recebi alguns tapinhas nas costas pelo nosso término. Durante esse tempo confesso que pensei nela algumas vezes e de como deveria estar sendo seu dia. Mas nada desesperador o suficiente para ligar sóbrio com voz de saudade e dizer que sentia sua falta.
Cheguei em casa e tudo estava calmo e tranquilo. Liguei o rádio me misturei com a solidão do Cazuza, pensei em tomar uísque, mas acabei fazendo café.
E esse foi o 1º dia sem ela.

2 comentários:

Germine aqui um pouco de amor. ♥