24 maio 2017

TEXTO | APENAS ME DEIXE IR


 Nunca fui daquelas que desistem fácil. Que choram horrores quando tropeçam e provocam arranhões. Nunca fui dessas que se apaixona por qualquer " bom dia " . E jamais serei dessas que gostam do fácil, se eu não precisar cair, fazer alguns arranhões, e continuar lutando, não compensa nem dar o primeiro passo. Eu lembro de ter lhe alertado sobre isso antes de deixar com que você abrisse o livro e me explorasse de ponta a ponta. Lembro bem moço, de ter lhe avisado sobre toda a bagunça que isso lhe causaria, de ter lhe dado um recado escrito em letras Maiúsculas sobre todos os abismos em que você estaria se atirando, lhe deixei claro sobre cada confusão que você iria se meter.

 Sejamos francos, você sabia de todos os riscos, e mesmo assim preferiu mergulhar com coração e alma nesse oceano de água fria. Sempre fui assim, e infelizmente não é você que vai chegar com o cabelo todo molhado, óculos escuros e uma prancha azul e vai mudar quem sou. Sabe, eu vivo pra ser livre, pra viver e morar toda semana em um canto diferente, passar algumas noites fora de casa, sair sem qualquer rumo, destino ou muito menos um mapa. Vivo por paixões moreno, sinto muito mas não sou como as princesas dos contos de fadas, que se apaixonam por um príncipe montado num cavalo branco e vivem o tão famoso feliz pra sempre, que as histórias nunca contam como ele realmente é. Não sou dessas que ama até morrer e que se prende a alguém que insiste em ditar as regras. Sou dessas que esquece a hora, que vira a madrugada só pra assistir o sol nascer, dessas que sorri a toa, e que nem sempre é tão certinha. Ah moreno, você deveria saber disso quando me conheceu bebendo alguns drinks naquela boate a alguns anos atrás não é mesmo?
 Me perdoa, mas eu não vou ficar em casa essa noite, aliás querido, não me espere, nem se preocupe, vou levar minha bagunça comigo, e vou te deixar, porque, você merece um amor incrivelmente intenso, merece alguém que se encante quando te olha, alguém que sinta uma extrema adrenalina na barriga quando te vê moreno. Me perdoe mais uma vez, mas não sou dessas que completa um amor. Vivo pra viver meu amigo, gosto da adrenalina de sair, irritar os vizinhos, paquerar o cara da recepção e fazer com que qualquer outro me pague um drink e puxe alguma conversa completamente aleatória. Gosto de emoções moreno, apenas me deixe ir.
 Antes de qualquer coisa, experimenta olhar pro céu, as estrelas estão lindas essa noite.

23 maio 2017

RESENHA | O CANTO MAIS ESCURO DA FLORESTA

Sinopse:  Uma história repleta de magia e mistérios, da autora de As Crônicas de Spiderwick. Hazel e seu irmão, Ben, moram em uma cidade onde humanos e fadas convivem. A magia aparentemente inofensiva desses seres atrai turistas de todas as partes, que querem ver de perto as maravilhas do lugar e, principalmente, o garoto de chifres e orelhas pontudas que descansa em um caixão de vidro. Hazel e Ben eram fascinados pelo garoto quando crianças. Mas, à medida que crescem, as histórias e teorias que inventavam perdem o encanto. Eles sabem que o garoto de chifres nunca acordará... Até que um dia ele acorda. Agora, os irmãos precisam se tornar os heróis que fingiam ser em suas brincadeiras e desvendar os mistérios que envolvem aquele príncipe com chifres
Autor: Holly Black                   Edição: 2017
Editora: Galera Record           Páginas: 208
Gênero: Fantasia                     Nota: 4/5




No finalzinho de abril chegou uma caixinha em casa com esse livro da Galera Record (nosso primeiro livro em parceria) e só posso dizer que fiquei tão apaixonada pelo conjunto todo que fiquei imaginando o quão deliciosa a leitura deveria ser.

O Canto Mais Escuro Da Floresta conta com uma atmosfera toda especial onde humanos e fadas vivem juntos, ou pelo menos tentam. Tudo acontece na cidadezinha chamada Fairfold e tem uma pequena floresta e é nela que o O Povo vive.
Na cidade havia um caixão que continha um garoto com chifres adormecido durante anos, os jovens gostavam de ir até lá para darem suas festas.

Hazel é conhecida por todos por ser uma pessoa sem tantos sentimentos. Ela sempre beijava garotos em festas, e na maioria das vezes era sem sentimento algum. Ao mesmo tempo que parecia ter um coração frio ela também conseguia me mostrar seu lado bom. Já seu irmão Ben era músico e péssimo em relacionamentos, mas isso tem um  motivo. 
Os dois sempre foram grandes amigos e tinham no garoto de chifres seu confidente, eles contavam todos seus segredos afinal o Príncipe como gostavam de chama-lo nunca iria acordar. Mas coisas estranhas começam acontecer e um belo dia ele simplesmente acorda e é nessa parte que o livro começa a funcionar para mim. Apesar de gostar de fantasia, o começo da história me deixou bem entediada, achei que tinha informações demais.
Meu personagem preferido sem dúvidas foi Jack que era um  changeling, isso significa que ele era um ser mistico, mesmo tendo a forma de um humano. 
Ele se propõe a ajudar os irmãos a procurarem o garoto de chifres e trazerem o de volta antes que seus piores segredos sejam revelados. 

O livro tem toda uma atmosfera lúdica e fantasiosa como deve ser. Uma vez que entra no mundo das fadas é quase impossível não acreditar em tudo que está acontecendo com os personagens. Gostei que os seres misticos não são bonzinhos como a maioria das histórias que ouvimos.

A diagramação é simples, mas é aquela que atende todas as necessidades do leitor. Agora a capa é um show á parte. Ela te convida a conhecer um universo todo encantado. Só posso dizer que para os fãs de fantasia esse livro é um prato cheio.
Fiquei contente com a leitura, realmente me surpreendeu de uma forma positiva.

Quem aí já leu, o que achou? Me conta.

20 maio 2017

NÃO ME PROMETA O AMANHÃ

Unsplash-Pablo Heimplatz

Não me prometa o amanhã que eu não te ouvirei, não quero uma promessa de um dia incerto, quero que me ame hoje.
Me ame como se o amanhã não fosse chegar, se enlace em mim como se fosse a última coisa que tu vai fazer, encoste sua boca na minha como se fossemos imãs que se atraem, só por hoje.

E amanhã a gente recomeça, mas não promete nada não, só chega naquele hoje e aproveita comigo, deita aqui do meu lado e não levanta antes do meio dia, se aconchega aqui, sem medo, deixa o amanhã passar e virar depois de amanhã e depois...até que uma vida inteira tenha passado e já estejamos bem velhinhos para ligar para qualquer outra coisa.

Não me prometa o amanhã, não quero, quero o hoje e todos os "hojes" que existirem em mais 100 anos, quero encostar minha cabeça no seu ombro sem medo de deixar o dia e o tempo passarem, quero um sorriso seu mesmo sem eu merecer, porque o amor é mesmo isso, viver o dia amando alguém mesmo bravo, abraçar quando vir que é aquilo que a pessoa precisa, ter o hoje para provar que amanhã não importa, e que só por hoje, e para sempre, o amor sobreviverá.

Não me prometa estar aqui ao amanhecer, apenas esteja, não me prometa amor, apenas me ame, não me prometa nada que possa se quebrar amanhã, apenas faça hoje o que puder fazer, não me prometa uma eternidade, faça acontecer, todo hoje que tivermos vai permanecer guardado em mim e nada mais importará.

19 maio 2017

DESCULPAS, TENHO REFLUXO.



Ando com uma baita raiva e sim antes que me corrija sinto no gerúndio mesmo, porque é algo que está entalado na minha garganta como se a qualquer momento fosse vomitar todas essas coisas que vem me estragando de dentro pra fora. Mas nada acontece, ás vezes uma tosse de leve, um refluxo inesperado, um respiro mais profundo e... Só. Nada sai, e todas essas coisas vão se aglomerando, penetrando em minhas veias e ossos estragando o que já foi florido, me tornando esse excesso desnecessário de gerúndios perdidos na madrugada.

Não jogo pra fora, nunca. Tenho deficiência no quesito "espalhar a merda toda no ventilador". Me calo, engulo a seco tudo e todos. Destruo minha garganta tentando fazer descer esses sentimentos tão cheios de vazios.
Tem dias que parece que não vou aguentar. Que irei fracassar na primeira respiração que sair desses pulmões cheios de amarguras. Tenho me sentindo como uma bomba mal amada, eu sei trocadilho infeliz, desculpas. Viu? É disse que estou falando, é dessa maldita falta de coragem de não pedir desculpas que estou falando, sempre sou aquela que pede desculpas mesmo quando o errado é o outro. Me jogo na fogueira e queimo sem dó nem compaixão por mim mesma, e não é porque quero salvar alguém, é essa droga de estado culpativo que me coloquei e não consigo me livrar.

Não consigo ser a mocinha, muito menos a vilã, sou aquela que passa despercebida aos olhos de todos, aquela que esta na cena por mera casualidade do destino. E se por algum motivo alguém me notar, eu peço desculpas.
Sei que chegará o dia que o texto não irá ficar semelhante com aqueles quinhentos que guardo na gaveta da comoda. Ele não terá firulas, nem palavras pensadas ou bem colocadas, não te trará aquele sentimento de acolhimento ou de dor profunda, não te arrancará sorrisos, nem aquela lágrima que não cai, mas está lá, você sabe que está. Chegará o dia que minhas palavras não te farão casa e nem te deixarão com chão. O texto não será sobre você, ou sobre ela, ele, ou sobre os outros. O caderno, a caneta e as palavras serão minhas e somente minhas, mas hoje tudo isso só me causa um leve refluxo, nada mais. E por isso eu peço desculpas.

17 maio 2017

TEXTO | MEDO DE FICARMOS SOZINHOS


É, eu tenho medo de ficar sozinha. Não me faça essa cara de quem ganhou a partida, eu já sei que era isso oque você queria que eu dissesse. Olha, pra ser sincera com você, eu tenho medo de acordar sozinha todas as manhãs na minha cama que sempre vai parecer 7 vezes maior, eu tenho medo de assistir filmes antigos na Netflix nas noites de domingo, sentar no sofá e não ter ninguém para guerrear com pipocas e bagunçar a sala toda.

 Eu tenho medo de planejar viagens incríveis e não ter ninguém comigo para fazer caretas nas fotos, ou ser convidada para um festa, me arrumar como nunca antes, e não ter ninguém pra dizer que eu estou linda sem ser algum desconhecido tentando me fazer de curativo pra preencher seu enorme vazio, falando nisso, eu não quero sentir um enorme vazio. Eu não quero ter que ficar sozinha conversando com o meu porquinho da índia porque não tem mais ninguém lá pra preencher a minha falta de adrenalina. Eu não quero ter que sentir mais frio no meu coração do que no meu próprio corpo quando o inverno voltar.

 Olha eu tenho medo de ter que sair pra correr e a única coisa que passar na minha cabeça ser a lista de coisas que faltam na geladeira. Eu preciso de alguém pra vencer comigo aqueles dias ruins, onde tudo dá errado, desde o meu cabelo, ou quando eu finalmente explodir e jogar umas verdades na cara do meu chefe arrogante, eu preciso de alguém comigo nos meus dias extremamente desafiantes de TPM, alguém que venha e me abrace quando eu estiver gritando pela casa com meu pijama de bolinhas extremamente irritada porque está sol demais ou porque acabou o açúcar, alguém que me faça chorar de medo de perde-lo, eu preciso de alguém que me convide às três da manhã pra andar de bicicleta pela cidade, alguém que me apresente bandas extremamente bregas e antigas, e as coloque pra tocar no último volume pra animar uma tarde de segunda - feira.

  É, eu tenho medo. eu tenho medo de acordar um dia às 5:00 da manhã com os cabelos grisalhos e ter que levantar da minha cadeira de balanços pra fazer o meu próprio café. Eu tenho medo de que um dia meu coração comece a falhar e não tenha ninguém pra segurar a minha mão e guardar meus óculos numa gaveta pra nunca se esquecer de mim quando eu estiver partindo. Eu preciso de alguém pra me fazer me sentir viva, não só porque eu tenho medo de ficar sozinha, mas porque eu tenho medo de ficar se você. Eu acho que estamos enlouquecendo, porque eu sei, você também tem medo.