26 julho 2016

TENTEI. NÃO DEU.


Um dia já fui de muitas metáforas, frases bem elaboradas e textos fantásticos. Usava pontos infinitos para contar nossas histórias, mas a gente cresce sabe? Um hora a ficha cai, frase velha, acho que a juventude de hoje nem faz ideia da referencia que ela faz. Talvez esse seja o grande problema, o tempo tem passado e nesse tal de rolar os ponteiros tenho me sentindo obrigada a passar também.
Acho que esse é o sentimento correto ou movimento, estou passando. Engraçado, lembrei do meu professor do ensino médio que certamente estaria em ulceras agora se visse que comecei a frase com "acho", ele dizia que quem acha não tem argumento convincente, que achar não vale nada. Talvez seja isso. Eu realmente não acho-sinto-faço nada. Agora me veio a mente que ao invés de estar passando esteja é parada, na inercia, no limbo, no lugar em que minha mente sempre teve medo de ficar.

Os cadernos estão todos vazios, os guardanapos nunca tiveram tão arrumados, e minha mente nunca esteve tão limpa. Sempre acreditei que a melhor coisa que poderia me acontecer um dia é esse turbilhão de sentimentos mal colocados cessarem, pensei que daria uma festa quando finalmente meus dedos conseguissem digitar o último sentimento, depois disso tudo ficaria calmo, sereno e tranquilo, quem não deseja calmaria? É que ninguém me falou que o silêncio é assustador e que ficar sem transbordar pode te ferir na mesma medida.

Tenho torcido para uma avalanche de qualquer coisa me atingir encheio bem no meio desse coração que parou de bater e se cansou de apanhar. Músculo parado fica atrofiado, e esse aqui nem bombeando direito está.
Nunca dormi melhor, já não tenho mais aquelas tão familiares olheiras e nem aquele aspecto de cansaço matinal durante o resto do dia, o cigarro foi esquecido e o cinzeiro virou decoração na mesa lateral da sala. Minhas séries estão em dia, e ainda assisto os mesmos episódios de Grey's Anatomy. Ás vezes me pergunto se realmente existe essa tal pessoa preferida, ou se sou a de alguém. acho que não. Sei que está chovendo lá fora, e que aqui dentro a poeira se ajunta.

Tentei escrever algo hoje, juro. Não deu.

24 julho 2016

ASSISTI: STRANGER THINGS


Antes de começar esse post preciso agradecer a linda da Netflix por existir e fazer das minhas noites e finais de semana mais felizinhas, obrigada. Pronto agora podemos continuar com o post.
Esses dias estava procurando alguma série nova para assistir já que as minhas estão todas em hiatos (#camilachora) foi aí que me deparei com a série Stranger Things, mas ainda assim meus olhos não brilharam e acabei deixando passar batido, fui assistir uma das minhas séries favoritas Gilmore Girls(), para quem ainda não sabe agora ela está na Netflix. No dia seguinte li o post da Luiza falando sobre Stranger Things e do quanto a ideia era genial, no mesmo dia vi em outro blog os mesmos comentários positivos, resultado assim que cheguei do trabalho corri para assistir.
Stranger Things é uma série que se passa nos anos 80 e vai contar sobre quatro amigos e o que acontece após o desaparecimento de um deles e o surgimento de uma garota misteriosa com poderes telepatas.
A história é cheia de citações dessa época maravilhosa como os Goonies, Conte Comigo, E.T, X -Man entre outros. Apesar de trazer inúmeras referencias que ao longo dos capítulos vamos reconhecendo ela não usa desse artifício para se apoiar. Outra coisa maravilhosa é a trilha sonora. A trama é original te prende logo nos primeiros minutos, assisti ela com o moço que estava como de costume no computador com seus fones de ouvidos, bastou apenas cinco minutos para ele vir sentar ao meu lado no sofá e não conseguir desgrudar os olhos.
O elenco é maravilhoso, nunca vi crianças atuarem tão bem, toda vez que o banguelinha aparecia em cena dava vontade de apertar a televisão, sério, mas a que tem todo meu coração é a Onze personagem interpretada pela Millie Bobby, é muito talento para tão pouca idade. Além disso temos Winona Ryder que ficou um tempo sumida, mas voltou derrubando todos os forninhos com sua atuação impecável. 
O que mais gostei é que apesar da série ser um suspense/terror ela não fica fazendo aquela famosa enrolação, as coisas acontecem muito rápidas, mas ao mesmo tempo você consegue ficar sem folego se perguntando o que virá depois.
A série tem no total dessa primeira temporada oito capítulos o que me deixou tristinha porque acabamos tudo em um dia, mas isso reforça o quanto ela genial, Os capítulos duram em média uns 45 minutos que você nem sente passar. E a melhor notícia é que a Netflix já confirmou a segunda temporada, agora é esperar.
E você já assistiu, me conta o que achou, o que mais gostou. E se não assistiu ainda por favor assim que deixar seu comentário aqui em baixo vá logo assistir.

22 julho 2016

LEVANTA MENINA



Sei que dessa vez te acertaram como um trator passa levando tudo pela frente. Sei que seus joelhos estão doendo pela queda tão repentina e que seu músculo preferido se encontra nesse exato momento triturado como se tivesse passado no velho moedor de carne do seu avô. Sei que jamais imaginou uma dor como essa, e que as quedas do patins que faziam você gritar de dor agora parecem coisa de criança.
Tudo bem se eu ficar um pouco mais? Prometo que fico quietinho e deixo você molhar minha camisa, não se preocupa com a roupa que ficou dentro da máquina, esqueça que o café ficou amargo. Descansa sua cabeça aqui no meu colo, te faço um cafuné e se quiser posso te contar a sua história favorita.

Dói saber que não cuidaram do nosso bem maior. Dói muito mais te ver assim com olhos inchados de tanto chorar. Dói saber que você mergulhou em alguém que não possuía profundidade para te abastecer. Mas posso te dizer algo? Vai passar menina, sempre passa. É claro que demora um certo tempo, quando seu joelho abria após uma queda ele não sarava instantaneamente, mesmo com o famoso beijinho da sua mãe levava dias até criar aquela casquinha que coçava e te dava uma vontade insuportável de arranca-la, lembra? Vai ser assim também com essa dor, irá levar algum tempo até seu coração criar uma casca fininha para se proteger de possíveis infecções, depois terá dias que ele ainda vai sangrar por qualquer lembrança do que já tenha sido bom, aí chegara a fase em que suas mãos terão que se controlar para não feri-lo novamente. Mas vai passar menina, vai passar.

Porque não tira esse pijama, coloca seu melhor vestido, pinta a boca de vermelho e vem dançar comigo? Faz de conta que a sala de estar é uma grande pista de dança daquelas que a gente frequentava quando nossos corpos ainda aguentavam, e a gente dança até os pés doerem, até seu vestido ficar colado no corpo de tanto suor e a boca pedir por água. A gente dança e canta, porque a música diz que os males vão embora, e o que quero mesmo é que esse teu sorriso preso se solte dessa boca amarga e que ele caia de amores pela única pessoa que merece: V-O-C-Ê.
Sei que conhece teu valor, mas é que ás vezes a gente esquece de nos colocar em  primeira pessoa. Se o amor foi pouco, se foi garoa, e nada foi como esperava, porque se deixar partir com ele? Fica. Fica por você, não deixa aquilo que foi pouco tirar o muito que você sabe que tem aí dentro.

Já tirei os sapatos e afrouxei a gravata, minha mão te convida a mais uma vez levantar, e se cair de novo, tudo bem. Uma hora a gente fica bom nessa coisa de cair com jeitinho, e olha o tapete é de veludo, dessa vez não vai machucar, e se o medo for grande eu me jogo por você. Mas levanta menina, porque tuas pernas foram feitas para dançar.

20 julho 2016

RESENHA: AZEITONA


Sinopse: Ian e Emília não trocaram mais que duas palavras desde que começaram a estudar juntos, mas é o nome dela que vem à mente dele quando precisa de uma parceira para um plano mirabolante: participar de um reality show sobre casais adolescentes que vão ser pais.
Isso em troca de um cachê capaz de resolver todos os seus problemas.
Ian tem dezesseis anos e foi criado pela irmã, Iris, que precisou abrir mão de oportunidades na vida para cuidar dele. Agora, quando ela finalmente vai conseguir se formar na faculdade, ele se sente na obrigação de retribuir de alguma maneira.
Emília, aos dezessete anos, não quer retribuir nada a ninguém – pelo contrário, seu sonho é sair de casa o quanto antes para não discutir mais com a mãe, com quem sempre teve uma relação conturbada.
O fato de que eles não são um casal nem têm planos de ter um bebê de verdade parece apenas um detalhe. Mas a vida reserva surpresas, nem sempre boas, para quem acredita que é fácil inventar a própria história.
O romance de estreia de Bruno Miranda, criador do canal Bubarim, no Youtube, é uma história divertida e tocante sobre relacionamentos familiares.

                                                                Autor: Bruno Miranda                Edição: 20156
                                                               Editora: Planeta                         Páginas: 352                                                                         Gênero: YA, Romance                Nota: 5/5  
Preciso começar essa resenha dizendo que escolhi esse livro por pura recomendação da Amanda do blog Chove Amor Aqui que inclusive também fez uma belíssima resenha (leia aqui) sobre ele o que só reforçou minha vontade de querer ler.
Antes da Amanda falar sobre o livro pensava que se tratava de mais um livro de Youtuber, e se esse também era o seu pensamento preciso dizer que está enganado.
Azeitona conta a história de um adolescente chamado Ian que mora com sua irmã Iris que trabalha com eventos de festas infantis e ás vezes casamentos. O rapaz tem dezesseis anos, leva uma vida comum ajudando sua irmã em alguns eventos e também dá "aulas" de tênis para um menino chamado Caio. A mãe de Ian morreu quando ele tinha seis anos e desde então Iris se sente responsável pelo irmão, e ele por sua vez se sente devendo algo por tudo que a moça já fez por ele.
Iris descobriu que está grávida de seu namorado e foi com Ian para sua primeira consulta de pré natal, assim começa a loucura toda que se trata o livro. O rapaz ficou na sala de espera observando outros casais quando uma mulher muito bonita e que não aparentava estar grávida veio falar com ele. Catarina é uma produtora famosa da televisão e está a frente de um reality show chamado Novos Pais que se trata de adolescentes que vão ser pais. Catarina fica muito empolgada falando com o Ian, e deixa os papeis do contrato caso ele aceite, ele tenta explicar que tudo não passa de um engano, mas a moça sai apressada e fica tudo por isso mesmo.
Depois da consulta já em casa Ian lembra dos papeis e quase cai para trás quando vê o tanto de dinheiro que ele poderia ganhar, era muito mais que sua irmã conseguiria juntar em dois anos, e ele apenas teria que participar de um programa, o problema é que ele não iria ser pai, nem se quer tinha uma namorada. Mas era a oportunidade perfeita para ele retribuir tudo o que Iris já havia feito por ele, então o plano era simples: encontrar uma garota que topasse fingir que estava grávida por alguns meses ou então engravida-la de verdade para parecer real e com isso conhecemos Emília que cai de paraquedas na história.
E se a história toda já parece absurda imaginem que Ian e Emília mal se conhecem apesar de estudarem juntos se trocaram duas ou três palavras era muito. Mas tudo parecia perfeito na cabeça do rapaz, afinal Emília queria sair da casa dos pais o quanto antes, ela tinha sérios problemas de relacionamento com sua mãe e o dinheiro seria uma forma incrível de dizer adeus. Então os dois embarcam de cabeça nessa loucura de fingir que serão pais, após isso é um problema atrás do outro.
Confesso que achei que a história era tão absurda que não me convenceria, pensei que seria apenas um livro e que não conseguiria me envolver, mas fico feliz que aconteceu o oposto. Sim, realmente a história é muito louca, mas justamente por isso me vi tão envolvida, quando percebi estava torcendo para que os dois conseguissem ganhar a grana. 
Além disso o livro ainda que de forma superficial trata sobre abuso, esse foi um ponto que achei que poderia ter sido mais explorado, mesmo assim gostei do Bruno ter colocado esse tema na trama. Também fala sobre relacionamentos familiares. Enfim é um livro completo na minha opinião, consegui rir horrores com as trapalhadas de Ian, mas também fiquei sensibilizada com alguns acontecimentos.
A capa é maravilhosa, a tabela de cores é linda. A diagramação também está impecável. Só posso dizer que me apaixonei pela escrita do Bruno e que não vejo a hora de ler mais livros dele. E que fico muito feliz por saber que temos jovens autores surgindo por aí com mais que sua auto biografia para nos mostrar.

Alguém aí já leu, o que achou? Me conta.

18 julho 2016

DIÁRIO DA GRAVIDEZ: CHÁ DA VALENTINA


Nem acredito que esse post é para dizer que passou, sim o chá da baby Valentina aconteceu. E fico feliz em dizer que foi um sucesso e que não é porque fui que fiz não, mas ficou lindo demais.
Quem me acompanha no Instagram (segue lá) sabe que esse mês estava totalmente dedicada ao chá de bebê, justamente por isso estava com dificuldade em fazer posts e até minhas leituras ficaram enroladas, mas como o motivo era válido sei que vocês me perdoam né?

Posso dizer que o chá da Valentina foi para provar que sou capaz de fazer coisas novas, confesso que não sou habilidosa quando se trata de trabalhos manuais, não sei nem fazer barra de calça, mas queria muito fazer algo diferente e que realmente pudesse dizer que tinha minha cara. Então veio a ideia do tema do chá: Passarinhos. Comecei a procurar ideias e assisti inúmeros vídeos, então mergulhei de cabeça e coloquei as mãos e os dedos para funcionarem.
Fiz os passarinhos, depois as letras do nome dela e até flores. Fiquei surpresa comigo mesma.

No dia do chá tive ajuda de alguns amigos e do moço para carregas as coisas, e organizar também. Apesar de mega feliz estava cansada na mesma medida, não dormi nada na noite anterior, tudo por ansiedade. Mesmo assim posso dizer que curti muito o chá da nossa pequena Valente. E que poder dividir esse momento especial com aqueles que mais amo foi ainda melhor.

As fotos foram todas tiradas pelo Léo, lembram dele?(leia aqui) Ele foi muito fofo e atencioso gente. Saiu lá de Sorocaba para clicar o nosso momento, e posso dizer o quanto fiquei boba com o profissionalismo dele, nem pra comer ele queria parar. O bom é que já conhecia o talento e a qualidade do trabalho do Léo por isso consegui aproveitar ainda mais o chá. 
Quero agradecer de novo o trabalho excelente do Léo e dizer que mais que fotografo ele virou família .



Espero que vocês também tenham gostado de ver as fotinhos, e agora o coração da mamãe aqui está cada dia mais ansioso para ter sua passarinha.

P.S: Não postei as fotos com os convidados porque se não vocês iriam se cansar rs.